quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Família é prato difícil de preparar.

(de "O Arroz de Palma,de Francisco Azevedo)
 
 
 
Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes. Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo. Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência. Não é para qualquer um. Os truques, os segredos, o imprevisível. Às vezes, dá até vontade de desistir. Preferimos o desconforto do estômago vazio. Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio. Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite. O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares. Súbito, feito milagre, a família está servida. Fulana sai a mais inteligente de todas. Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade. Sicrano, quem diria? Solou, endureceu, murchou antes do tempo. Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante. Aquele o que surpreendeu e foi morar longe. Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente.
E você?  É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia. Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais sentimental? A mais prestativa? O que nunca quis nada com o trabalho? Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo. Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida. Não há pressa. Eu espero. Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados. Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola. Não se envergonhe de chorar. Família é prato que emociona. E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.

Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco. Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.
Atenção também com os pesos e as medidas. Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre. Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido. Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher. Saber meter a colher é verdadeira arte. Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.
O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe Família à Oswaldo Aranha; Família à Rossini
; Família à Belle Meunière; Família ao Molho Pardo,  em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, é “à Moda da Casa. E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito.
Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada, seriam assim um tipo de Família Dieta, que você suporta só para manter a linha.  Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.

Enfim, receita de família não se copia, se inventa. A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia a dia. A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança. Principalmente na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Eu quero o BOO!!!!!






Eu quero essa coisa linda, ele é muito fofinho, se chama BOO e é o cachorro mais fofinho do mundo, tem até um perfil no facebook!!!!!! A raça dessa fofura é Lulu da Pomerânia.


O meu amor


O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos
Com tantos segredos lindos e indecentes
Depois brinca comigo, ri do meu umbigo
E me crava os dentes
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
Que me deixa maluca, quando me roça a nuca
E quase me machuca com a barba mal feita
E de pousar as coxas entre as minhas coxas
Quando ele se deita
O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa
Eu sou sua menina, viu? E ele é o meu rapaz
Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz

(Chico Buarque)

Ainda temos tempo...



“Com 3 anos uma menina se olha no espelho e vê uma rainha.
Aos 8 anos ela se olha no espelho e vê a Cinderela.
Aos 15 anos ela se olha no espelho e vê a irmã adotiva horrorosa da Cinderela: "Mãe, é impossível eu ir para a escola assim."
Com 20 anos uma jovem mulher se olha no espelho e se vê "muito gorda, muito magra, muito baixa, muito alta, os cabelos cacheados demais, lisos demais". Mas ela sai assim mesmo.
Aos 30 ela se olha e se vê "muito gorda, muito magra, muito baixa, muito alta, os cabelos cacheados demais, lisos demais". Mas ela acha que não tem tempo de cuidar disso agora e saí assim mesmo.
Aos 40 ela se olha e se vê "muito gorda, muito magra, muito baixa, muito alta, os cabelos cacheados demais, lisos demais". Mas ela diz: pelo menos eu estou limpa e saí assim mesmo.
Aos 50 anos ela se olha e diz: "eu sou como eu sou" e saí para todo e qualquer lugar que ela queira ir.
Com 60 anos ela se olha no espelho e se lembra de todas as pessoas que já não podem mais se olhar em um espelho. Ela sai e conquista o mundo.
Aos 70 ela se olha e vê Sabedoria, Sorrisos e Capacidade - ela saí e aproveita a vida.
Com 80 anos ela nem liga para nenhum espelho. Ela simplesmente coloca um chapéu lilás na cabeça e sai para se divertir mundo afora.
Talvez devêssemos usar um chapéu lilás mais cedo.” 

(Autor desconhecido)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

É NATAL!!!!!!


Acabei de ganhar esse cartão de Natal de uma amiga muito querida, eu AMEI e resolvi postar aqui no blog.

AMO O NATAL! PAZ E AMOR PRA TODOS!!!!!!

Cuidem dos seus bichinhos, eles merecem muito carinho também!!!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

antes de você..


Não me lembro como eu era antes de você..

I'll love you more!!

 
"All these places had their moments
With lovers and friends I still can recall
Some are dead and some are living
In my life I've loved them all

But of all these friends and lovers
There is no one compared with you
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new

Though I know I'll never lose affection
For people and things that went before
I know I'll often stop and think about them
In my life I'll love you more"

Só nós sabemos como é..

" Há dias em que estou má e crítica, outros em que estou boa, um mel. Há dias em que tenho toda a paciência do mundo, mesmo com os que nasceram só para chatear, outros em que a insatisfação alheia perante a vida me irrita.  Há dias em que sou cabra, outros ovelha. Há dias em que preciso de toda a maquilhagem de feia que sou, outros em que me gosto desmaquilhada. Há dias em que invento cores para pôr nas unhas, outros em que desejava nunca as ter pintado. Há dias em que sou poderosa só com uns saltos altos, outros em que me magoam e saturam, ainda outros, que me bastam uns sapatos rasos e quero lá eu saber de sacrifícios em prol do ego. Há dias em que adoro o cabelo comprido pelas costas, outros em que o desejava cortar rente, só para não ter de cuidar dele. Há dias em que desejava ter nascido homem, libertar-me do soutien que não me deixa respirar e me aperta e sufoca o coração. Há dias em que só me vejo de saias, outros em que me prendem na obrigação de cruzar as pernas quando me sento e ainda outros em que me sinto feminina de calças.  Há dias em que demoro a escolher as meias, outros em que me incomodam. Há dias em que me podem pedir mais e mais, há outros em que não me podem pedir nada. Há dias em que tenho tanta energia que nem eu sou capaz de saber tudo quanto fiz, há outros que até parada me canso. Há dias que penso no futuro, na pele, na saúde e como fruta e legumes, outros em que no presente sem  querer futuro me afogo  em Big Mac's e chocolates. Há dias em que insulto a balança, que de certezinha foi inventada por um homem  e amaldiçoo todos os homens do mundo, outros, a maior parte deles, em que os adoro, abençoados sejam. Há dias em que não sei o que vestir porque gosto de tudo, outros em que  o armário está estupidamente vazio. Há dias em que quero perfumes e mais lingerie, outros que só quero pijamas e pantufas polares. Há dias em que adoro o que compro, outros em que não sei onde tinha a cabeça quando comprei aquela droga. Não sabia? É por isso que nós passamos a vida a trocar o que comprámos.  Há dias em que pinto arco-íris num céu cinzento de tão escuro e baixo que é, outros em que o céu azul me fere os olhos, até com óculos de sol. Há dias em que odeio a chuva que me estragou o cabelo, outros em que gosto de a ver e quero lá eu saber do cabelo. Há dias assim e dias assado. Não há dois iguais, no mesmo cenário, com a mesma roupa, numa só mulher. Malditas variações hormonais que nos fazem ser tantas numa só. "

(autor desconhecido)

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Mazembe????

Nomezinho estranho esse, não?!

Este time da República Democrática do Congo que o Internacional enfrentará em seu primeiro jogo do Campeonato Mundial Interclubes FIFA às 14h de hoje (14.12).
O nervosismo tá pegando, to com uma dor de cabeça absurda e o pior, tenho que trabalhar. Não vou poder ver o jogo pela televisão, apenas ouvir no radinho, a única vantagem é que vou saber dos gols muito antes do pessoal que vai ver na net. Gols? Espero que sejam vááários e pro nosso querido colorado. To apostando em 2 a 1, mas não sei ainda quem vai fazer os gols, quem sabe o nosso querido cone, ou o menino de Erechim, Índio de cabeça... aiai... agora é esperar pra ver e torcer muito.

Muita energia positiva pros nossos guerreiros!!!!!!!!!!!

VAMO MEU INTER!!!!!!!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Medo de dirigir..

Viver dependendo de carona do pai, das amigas, ir trabalhar de ônibus, gastar fortunas com táxi são apenas alguns dos motivos que me fizeram entrar numa auto-escola.
Sempre pensei que carro era coisa de homem, que eu não iria precisar dirigir, pois me levavam e me buscavam da onde eu queria, foi começar a faculdade e a trabalhar que eu vi que não era bem assim. Aos 21 anos, resolvi entrar na auto-escola, não tive apoio do meu pai, apenas da minha mãe (ela tem carteira, mas não dirige - acho que se eu dirigisse seria uma vitória dela também), mas eu estava resolvida que eu seria "locomotivamente" independente. Eu sempre sonhei que estava dirigindo e batia o carro ou não sabia onde era o freio, onde era a embreagem.. o medo começou a tomar conta de mim. Resolvi escrever sobre isso hoje, pois arranhei o carro do meu namorado e de um amigo (é isso ai, eu sou uma futura motorista maneta, facona :| ) Eu fiz as aulas teóricas e passei.. ufa! Pelo menos essa proeza eu conquistei!  Fiz as aulas práticas, fui bem, achei que eu era mais desgovernada. Chegou o dia do teste e eu levei meu ipod e fiquei ouvindo as minhas músicas favoritas e respirando lentamente, enquanto as outras pessoas faziam suas provas, a maioria não passou, erravam na baliza. Ai eu me pergunto, por que fazer a tal da baliza é tão complicado? Quando foi a minha hora de fazer a prova, entrei no carro, arrumei os espelhos, soltei o freio de mão, arrumei o meu banco, só esqueci de uma coisa.. de colocar o cinto! O que aconteceu? RODEI! Não pude nem ver se eu tava pronta pra dirigir ou não. Passaram uns 2 ou 3 meses e aqui estou eu buscando coragem pra fazer a prova novamente. Então, voltando ao assunto que me fez escrever hoje, fui dar uma de "João sem braço" e resolvi manobrar o carro, mas não me dei conta de que dois corpos não ocupam o mesmo espaço e larguei o carro em cima do outro que estava na garagem. Mas foi bom, pois me fiz prometer que só vou pegar um carro novamente quando eu tiver passado na prova da auto-escola e o carro for meu.
Vou tentar fazer a prova agora em Dezembro mesmo, mas se não der (eu sempre me boicotando né!), esta será minha meta para 2011!!!!!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Beep beep'm, beep beep, yeah!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Meu dia hoje vai ser completamente Beatlemaníaco, meu ipod tá bombando já!!!! Felicidade, Felicidade!!!!!!!!

30 anos sem JOHN

Minha homenagem vai para John Lennon, gênio da música. Hoje faz 30 anos da sua morte.
 
 
Durante os anos 60, John Lennon liderou ao lado de Paul McCartney o grupo de rock mais famoso de todos os tempos, os Beatles.
Desde 1968, antes da dissolução do grupo, Lennon já lançava gravações feitas à parte dos Beatles, em parceria com sua segunda mulher, Yoko Ono.
Dessa época, são as gravações de "Give Peace a Chance", em que Lennon fala de pacifismo, e "Cold Turkey", sobre sua luta contra a dependência de heroína.
Entre 68 e 69, Lennon lançou também os obscuros álbuns "Unfinished Music Number 1: Two Virgins", que traz na capa uma foto dele e de Ono nus, e "Unfinished Music Number 2: Life with the Lions".
Depois da dissolução oficial dos Beatles, anunciada em 1970 por Paul McCartney, Lennon lançou em 71 o single "Power to the People" e o disco "Imagine", que chegou às paradas de sucesso com a faixa de mesmo nome.
Em 1973, o cantor lançou o disco "Mind Games", cuja faixa título teve algum sucesso. Nesse período, Lennon enfrentava uma guerra judicial com o departamento de imigração norte-americano que não queria conceder-lhe um "green card" (permissão de trabalho para estrangeiros) por causa de um processo por porte de maconha, de 1968.
De 74 a 75, Lennon viveu em Los Angeles, separado de Yoko Ono. São dessa fase as composições "Whatever Gets You Through the Night", em parceria com Elton John, e "Fame", em parceria com David Bowie. No final de 75, Lennon e Yoko se reuniram e em meados de 76 ele recebeu o tão esperado "green card".
Lennon só voltaria a gravar em 1980, quando lançou o disco "Double Fantasy", que reunia composições suas e de Yoko Ono. O single "(Just Like) Starting Over" estava subindo nas paradas quando Lennon foi morto por Mark Chapman em 8 de dezembro de 1980.
 
 
 
Give Peace A Chance

Two, one two three four
Ev'rybody's talking about
Bagism, Shagism, Dragism, Madism, Ragism, Tagism
This-ism, that-ism, is-m, is-m, is-m.
All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

C'mon
Ev'rybody's talking about Ministers,
Sinisters, Banisters and canisters
Bishops and Fishops and Rabbis and Pop eyes,
And bye bye, bye byes.

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

Let me tell you now
Ev'rybody's talking about
Revolution, evolution, masturbation,
flagellation, regulation, integrations,
meditations, United Nations,
Congratulations.

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

Ev'rybody's talking about
John and Yoko, Timmy Leary, Rosemary,
Tommy Smothers, Bobby Dylan, Tommy Cooper,
Derek Taylor, Norman Mailer,
Alan Ginsberg, Hare Krishna,
Hare, Hare Krishna

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

ABSOLUTO


Hoje possivelmente será um dia histórico para o Internacional e seu torcedor. Amanhã já é o embarque da delegação colorada para Abu Dhabi e o Clube tá convocando a torcida para um evento diferente no Beira-Rio. Além de proporcionar  a despedida de time e torcida, a G7 Cinema organiza junto com o Internacional a única exibição coletiva do filme “Absoluto – Internacional, Bicampeão da América”, que conta a história da trajetória colorada no torneio continental.
Em apresentação única e histórica, o filme será exibido numa gigantesca tela de 120 metros quadrados em projeção digital de alta tecnologia. “Convocamos a torcida colorada a participar desse evento histórico, em que nos despediremos de nossos guerreiros e veremos um filme de arrepiar sobre essa grande conquista”, ressalta o diretor executivo de marketing do Inter, Jorge Avancini.
Os jogadores marcarão presença e estarão no Gigante, a partir das 20h.

Ingresso: R$ 5,00
Abertura dos portões no dia 07/12: 19h